Recentemente você notou que o seu filho não consegue ficar com as pernas paradas quando deita na cama para dormir? E ainda recebeu um recado da professora reclamando da sonolência e falta de atenção dele na escola? Afinal de contas, o que está acontecendo com o seu pequeno? Esse problema pode ser consequência da Síndrome das Pernas Inquietas (SIP), um distúrbio caracterizado por desconforto nas pernas e necessidade intensa de movimentá-las principalmente próximo da hora de dormir.
Síndrome das pernas inquietas
Segundo o neurologista Leandro Teles, uma das principais consequências da síndrome é na qualidade do sono. Os sintomas costumam ser intensos à noite e a criança tende a apresentar dificuldade em iniciar o sono. Como consequência, ela fica mais sonolenta, cansada, indisposta e irritada no dia seguinte. A causa da síndrome ainda não é completamente conhecida. Acredita-se que haja importante contribuição genética, podendo existir alguns determinantes ambientais.

Não “puxe a orelha” do seu filho por ele reclamar de dor, desconforto ou formigamento nos membros inferiores e dificuldade para dormir por isso. “Os pais devem prestar atenção no padrão inicial de sono da criança, se a criança se mexe muito à noite, se tira o lençol ou acorda de cabeça para baixo, por exemplo. Lembre-se que pode não ser manha e sim sintomas da síndrome das pernas inquietas.
Síndrome das pernas inquietas
O tratamento correto visa melhorar os sintomas por meio de mudanças de hábitos e, eventualmente, medicamentos. Estabelecer uma boa rotina de sono, praticar exercícios físicos, tratar as disfunções associadas, e em casos selecionados, aliar medicamentos, apropriados, trazem geralmente bons resultados na maioria dos casos.

Fonte: Revista materlife.